quarta-feira, 27 de maio de 2015

Com cinco pilotos, Walmax Racing transfere-se para o Moto 1000 GP

Walmax Racing

Equipe paulista estreia na categoria GP 600 Evo do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade neste domingo no GP Cascavel

Fonte: Grelak Comunicação.
O GP Cascavel, segunda das oito etapas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, vai marcar mais uma estreia no Moto 1000 GP. A Walmax Racing, equipe paulistana comandada por Waldemar “Dema” Santos Filho, chega à categoria com cinco pilotos. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira (27) e confirma a participação de quatro dos pilotos da Walmax na corrida deste domingo (31) no Autódromo Internacional Zilmar Beux.
Douglas Pecoraro, Durval Careca, Gregory Alfonso e Ricardo Pitty terão em Cascavel suas primeiras participações no Moto 1000 GP. Eles vão pilotar as Kawasaki ZX6 inscritas sob os números 19, 61, 33 e 88, respectivamente. O quinto piloto da equipe é Thiago Freitas, que tomará parte das disputas a partir da terceira etapa, marcada para o dia 28 de junho no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Goiânia (GO) – sua moto terá o número 17.

“Nós viemos de outro campeonato e vínhamos enfrentando dificuldades com a instabilidade de calendário. As mudanças de datas vinham obrigando a equipe a decidir uma etapa por vez, então decidimos migrar de vez para o Moto 1000 GP”, diz o chefe de equipe Dema. “Temos apreço pelo campeonato, pela organização, pelo nível dos pilotos, pela seriedade e o respeito do Moto 1000 GP ao regulamento. Estamos no lugar certo”, ele conclui.

Douglas Pecoraro, um dos pilotos da Walmax Racing, ressalta o nível técnico do Brasileiro de Motovelocidade. “É forte, mesmo. Há vários argentinos correndo na GP 600, mais o Eric Granado e uma série de pilotos fortíssimos, de nível internacional. Isso vai ajudar a gente a evoluir na pilotagem”, afirma. “O nível de competição é forte e muito profissional. Desportivamente, o Moto 1000 GP é um campeonato que nos interessa bastante”.

A exposição na mídia é outro ponto lembrado por Pecoraro, que estreou na motovelocidade em 2013. “O Moto 1000 GP tem TV ao vivo e quatro etapas têm a GP 600 ao vivo. Isso ajuda muito na hora de captar recursos”, diz, sobre a transmissão ao vivo pelos canais Bandsports e Esporte Interativo, que inclui a GP 1000 e mais uma categoria na íntegra, além de VTs das outras duas – todas as corridas são mostradas no site moto1000gp.com.br.

Pecoraro, Alfonso, Pitty, Careca e Freitas vão participar inscritos na GP 600 Evo, classe implantada na atual temporada para pilotos com as carreiras em fase de ascensão. “É o caso de nós todos. Estamos chegando agora e na Evo vamos ter a condição ideal para aprender com os principais pilotos da GP 600. Somos uma equipe numerosa, mas não viemos para fazer número. Nossa ideia é integrar o primeiro pelotão dentro de pouco tempo”, avisa Pecoraro.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Principais pilotos do Brasil medem forças com destaques internacionais em Cascavel

Moto 1000 GP terá corridas da segunda etapa, neste domingo, no único circuito do calendário que oferece médias acima dos 170 km/h

Fonte: Grelak Comunicação.
Único palco do Moto 1000 GP que proporciona médias de velocidade superiores aos 170 km/h, o Autódromo Internacional Zilmar Beux, em Cascavel (PR), volta a receber os principais pilotos do país nesta semana, para treinos e corridas da segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. O GP Cascavel será desenvolvido no domingo (31), confrontando mais de 80 pilotos do Brasil e do exterior nas quatro categorias em disputa.
A programação do GP Cascavel prevê a disputa de quatro corridas, nas categorias GP 1000, GP 600, GP Light e GPR 250. As disputas englobam sete marcas de motocicletas, o que frisa um dos propósitos principais do Brasileiro: a equiparação técnica entre BMW, Ducati, Honda, Kawasaki, Suzuki, Triumph e Yamaha. Todas as marcas representadas na pista no GP Petrobras, disputado em Curitiba no dia 3 de maio, levaram seus pilotos ao pódio.

O público cascavelense, sempre um dos mais participativos e atuantes do calendário do Moto 1000 GP, terá entre as atrações das provas da segunda etapa de 2015 a disputa entre os pilotos brasileiros e estrangeiros, sobretudo na GP 1000 – o GP Petrobras terminou com pilotos de cinco nacionalidades nas cinco primeiras posições da principal categoria do campeonato. As quatro categorias em disputa são lideradas por pilotos de três marcas diferentes.

GP CASCAVEL – BRASILEIRO DE MOTOVELOCIDADE
(Os horários de treinos e corridas da segunda etapa do Moto 1000 GP)
Sexta-feira, 29 de maio
11h05 – primeiro treino livre da GPR 250 (25 minutos)
11h35 – primeiro treino livre da GP 600/GP 600 Evo (25 minutos)
12h05 – primeiro treino livre da GP 1000/GP 1000 Evo (25 minutos)
12h35 – primeiro treino livre da GP Light (25 minutos)
13h05 – segundo treino livre da GPR 250 (25 minutos)
13h35 – segundo treino livre da GP 600/GP 600 Evo (25 minutos)
14h05 – segundo treino livre da GP 1000/GP 1000 Evo (25 minutos)
14h35 – segundo treino livre da GP Light (25 minutos)
15h05 – terceiro treino livre da GPR 250 (25 minutos)
15h35 – terceiro treino livre da GP 600/GP 600 Evo (25 minutos)
16h05 – terceiro treino livre da GP 1000/GP 1000 Evo (25 minutos)
16h35 – terceiro treino livre da GP Light (25 minutos)

Sábado, 30 de maio
8h55 – quarto treino livre da GPR 250 (25 minutos)
9h25 – quarto treino livre da GP 600/GP 600 Evo (25 minutos)
9h55 – quarto treino livre da GP 1000/GP 1000 Evo (25 minutos)
10h25 – quarto treino livre da GP Light (25 minutos)
11h05 – Q1 da GPR 250 (20 minutos)
11h30 – Q1 da GP 600/GP 600 Evo (20 minutos)
13h10 – Q1 da GP 1000/GP 1000 Evo (20 minutos)
13h40 – Q1 da GP Light (20 minutos)
14h10 – Q2 da GPR 250 (10 minutos)
14h30 – Q2 da GP 600/GP 600 Evo (10 minutos)
14h50 – Q2 da GP 1000/GP 1000 Evo (10 minutos)
15h10 – Q2 da GP Light (10 minutos)

Domingo, 31 de maio
8h10 – warm up da GPR 250 (10 minutos)
8h30 – warm up da GP 600/GP 600 Evo (10 minutos)
8h50 – warm up da GP Light (10 minutos)
9h10 – warm up da GP 1000/GP1000 Evo (10 minutos)
9h50 – largada da GPR 250 (13 voltas)
10h40 – largada da GP 600/GP 600 Evo (20 voltas)
11h35 – largada da GP Light (20 voltas)
12h30 – largada da GP 1000/GP 1000 Evo (23 voltas)

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Internações por acidentes com motos aumentam 115% em 6 anos

Dados preliminares foram divulgados pelo Ministério da Saúde. De 2012 para 2013, morte de motociclistas no trânsito caiu.

Publicado no portal G1 em 22/05/2015.
O número de internações hospitalares envolvendo motociclistas acidentados no trânsito aumentou 115% em 6 anos, entre 2008 e 2013, de acordo com dados preliminares divulgados pelo Ministério da Saúde. No mesmo período, o total de internações por acidentes de todos tipos de transporte terrestre cresceu 72,4%.
Em 2013, o Sistema Único de Saúde (SUS) registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vítimas. Em relação às motos, o número atingiu 88.682 internações.
Segundo o ministério, de 2008 a 2013, o gasto com internações de motociclistas aumentou 170,8% e não inclui valores de reabilitação, medicação e o impacto em outras áreas da saúde. No período, a frota de motos cresceu 247,1% no país.

No entanto, os números preliminares mostram que houve queda no número de mortes de motociclistas entre 2012 e 2013, passando de 12.544 para 12.040, respectivamente. Em 2013, o número de motociclistas mortos corresponderam a 28% das mortes em acidentes com transporte terrestre no país.
Para tentar frear os acidentes envolvendo motos, o Ministério da Saúde afirma que fará ações para conter e prevenir os acidentes de motos no país.

“Não dá mais para não agir na dimensão preventiva dos acidentes de moto. É preciso propor novas ações como a obrigatoriedade de apresentação da habilitação no momento da compra da moto e a possibilidade de financiamento do capacete como EPI (equipamento de proteção individual), possibilitando a venda do item de segurança em até 48 vezes”, disse o Ministro da Saúde, Arthur Chioro, em comunicado divulgado pelo governo.

Os dados do SUS mostram que 78,76% das vítimas de acidente de transporte terrestre envolvendo motociclista são homens, na faixa etária de 20 a 39 anos. Entre os motociclistas ouvidos, 19,6% informaram o uso de bebida alcoólica antes do acidente e 19,7% estavam sem capacete.

Outra informação do relatório é que o período da tarde registou o maior número de ocorrências de acidentes – 31,94% aconteceram entre 12h e 17h59 – seguido da noite com registro de 31,42% dos acidentes entre 18h e 23h59. Outro período que merece atenção, segundo o ministério, são os finais de semana, que concentram 40% das ocorrências envolvendo motos.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Manutenção da motocicleta previne acidentes e riscos ao condutor

Verificar freios, pneus e sistema elétrico evita contratempos 

Fonte: Printer Press.
A ausência de manutenção em motocicletas foi a causa de 46,4 mil acidentes em 2014, 8% do total de casos registrados. De acordo com a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas e Similares), 11% das ocorrências estão relacionadas aos pneus e 7%, aos freios.
Nesse contexto, Alexandre Jordão, gerente de Aftermarket da Pósitron, lista diversas dicas ao motociclista, que previnem acidentes e riscos desnecessários. “A segurança da moto é um foco importante para a Pósitron, já que está totalmente ligada ao nosso negócio. Há mais de 20 anos, produzimos e comercializamos diversas linhas de alarme, com tecnologia de ponta.”
Disparo involuntário do alarme: Por mais improvável que pareça, a falta de cuidados pode provocar o disparo involuntário do alarme. Isso pode acontecer em duas situações: quando a carga da bateria do controle remoto está baixa, ou por defeitos nos componentes da ignição. “Em ambos os casos, o módulo deixa de receber o sinal de presença, que deve ser enviado periodicamente, e entra na função modo assalto, causando o disparo da sirene”, explica o especialista. “Por isso, é importante realizar a revisão do sistema elétrico da moto antes da instalação do alarme.”

Freios: Um dos principais responsáveis por acidentes no ano passado, a manutenção do sistema de freios deve ser prioridade do condutor. A cada mil quilômetros, é importante verificar as pastilhas. Também é preciso ficar atento ao nível do fluído, bem como aos ruídos, que podem indicar desgaste do equipamento.

Pneus: A substituição dos pneus deve ser feita, em média, após 30 mil quilômetros rodados. O executivo recomenda realizar a troca em máquinas de montagem, principalmente se a motocicleta possuir rodas raiadas, para não danificá-las. Mesmo que os pneus não estejam gastos, a borracha enrijece e resseca com o passar dos anos, e isso diminui a aderência ao solo, o que pode provocar derrapagens.

Bateria: Verificar o nível de água da bateria pelo menos uma vez a cada seis meses é essencial. “Algumas falhas na parte elétrica, como farol fraco ou seta fora de controle, podem ser indícios de que a bateria está no fim”, esclarece Jordão.

Corrente: Com o tempo, a corrente ganha folga. Por isso, é preciso prestar atenção no ajuste, para não correr o risco de ela se soltar da coroa com a moto em movimento, o que pode causar um acidente grave. Além disso, é indispensável a sua lubrificação, a cada 500 quilômetros rodados.

“Independentemente do tempo de uso e da quilometragem, a manutenção deve estar sempre em dia. Além de prevenir riscos, colabora com a vida útil da motocicleta e com a segurança do usuário e terceiros”, completa o executivo.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Honda convoca proprietários dos modelos XRE 300 e CRF 230F para a substituição preventiva do garfo traseiro

Campanha afeta 11.819 unidades e o atendimento começa no dia 01 de junho.

A Moto Honda convoca os proprietários das motocicletas modelos XRE 300 e CRF 230F, ano e modelo 2015, a comparecerem, a partir de 01 de Junho de 2015, a uma das concessionárias autorizadas da marca para a substituição gratuita do garfo traseiro.
Em algumas unidades poderá ocorrer a trinca do garfo traseiro e, caso a motocicleta continue sendo utilizada, poderá ocorrer à ruptura do componente, afetando à dirigibilidade da motocicleta. Essa situação poderá expor o(s) usuário(s) ao risco de colisão e/ou queda, podendo causar danos materiais e lesões graves ou até mesmo fatais os ocupantes e/ou terceiros.
A substituição do item poderá ser realizada de forma gratuita em qualquer concessionária de motocicletas da marca conforme a data de início do atendimento. Porém, antes de se dirigir a uma concessionária, verifique a necessidade de reparo bem como os endereço dos locais de atendimento no site honda.com.br/recall/motos ou em nossa Central de Atendimento pelo 0800-701-3432 (segunda a sexta-feira, das 08h às 20h - horário de Brasília).

“Moto 3 brasileira”, GPR 250 é aposta das principais equipes do Moto 1000 GP

Giovandro Tonini disputa a GPR 250 pela Santin Racing

Grid da categoria de formação de pilotos inclui vários dos maiores times que disputam título brasileiro de motovelocidade na GP 1000 e na GP 600

Fonte: Grelak Comunicação
A história da GPR 250 teve início com a realização experimental de uma corrida na quarta etapa da temporada de 2012, disputada no dia 21 de outubro no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília (DF). O grid contou com 18 motos e a vitória foi conquistada por Michel Veludo, com a Honda Twister da Tato Moto Racing. Robson Lima e Ricardo de Carvalho Dias, ambos inscritos pela Podium Racing Team, foram segundo e terceiro colocados.

O resultado da experiência levou à implantação da GPR 250 já em 2013 no Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Com duas vitórias e freqüência no pódio em outras quatro etapas, o gaúcho Pedro Sampaio conquistou o título pela equipe Fábio Loko, também do Rio Grande do Sul. Ele somou 130 pontos, apenas oito a mais que o paulista Meikon Kawakami, que confirmou o vice-campeonato aos 11 anos pela equipe Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros.

Kawakami conquistou o título brasileiro em 2014 conduzindo a Honda da Playstation-PRT à vitória em três das oito etapas. Ele também conquistou dois segundos e um terceiro lugar, chegando a 149 pontos, 19 à frente do paulista Lucas Torres, da Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros. A primeira etapa de 2015 teve dobradinha dos irmãos Ton e Meikon Kawakami, que levaram as Honda da Playstation-PRT à vitória e ao segundo lugar no GP Petrobras, em Curitiba.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Indian confirma estreia no Brasil para o Salão Duas Rodas 2015

Objetivo da empresa é rivalizar com as motos da Harley-Davidson. Maior evento do setor no país ocorre em outubro, em São Paulo.

Publicado no Portal G1 em 19/05/2015
Após revelar o plano de vender motos no Brasil durante o ano passado, a centenária fabricante de motos Indian confirmou nesta terça-feira (19), que fará sua estreia no país na próxima edição do Salão Duas Rodas, que ocorrerá de 7 a 12 de outubro, no Anhembi, em São Paulo.
Com uma linha de motos estradeiras e custom, o objetivo da empresa americana será competir com a conterrânea Harley-Davidson, que faz sucesso no Brasil.
Como informou em 2014, a empresa ainda estuda se terá a própria fábrica no Brasil ou se fará alguma parceria para terceirizar a montagem, como fazem BMW, Ducati, MV Agusta e KTM com a Dafra.
Criada em 1901, nos Estados Unidos, a Indian tenta retornar aos tempos de glória do passado, quando foi mais famosa e importante que a rival Harley-Davidson.

Desde 2011, quando foi adquirida pelo grupo Polaris, a Indian vem renovando sua linha. Primeiro mostrou, em 2013, uma linha Chief, composta por Classic, Vintage e Chieftain, remetendo aos modelos mais clássicos da empresa, porém, com projetos 100% novos. Em 2014, o grande lançamento foi a nova Scout, que traz uma dose de modernidade para a marca.

Cascavel,(PR) recebe pilotos e equipes do Moto 1000 GP pela sétima vez

Matthieu Lussiana

Campeonato Brasileiro de Motovelocidade terá corridas da segunda etapa no circuito mais veloz de seu calendário

Fonte: Grelak Comunicação.
Quatro semanas depois das corridas acirradas do GP Petrobras, que abriu a disputa no Autódromo Internacional de Curitiba, o Moto 1000 GP terá corridas no circuito de maiores médias de velocidade de seu calendário. O GP Cascavel, segunda etapa da temporada de 2015 do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, confrontará pilotos e equipes de vários países no dia 31 de maio no Autódromo Internacional Zilmar Beux.

Será a sétima edição de uma etapa do Moto 1000 GP na pista de 3.058 metros de Cascavel. As duas primeiras consolidaram rodada dupla no dia 4 de novembro de 2012, valendo pelas quinta e sexta etapas. O argentino Leandro “Tati” Mercado venceu as duas provas da categoria GP 1000. Seu compatriota Adrian Silveira ganhou as duas da GP 600. Os paulistas Nick Iatauro e Lucas Barros revezaram os primeiros lugares da GP Light.

O Brasileiro de Motovelocidade de 2013 teve duas etapas em Cascavel. A quarta, no dia 25 de agosto, registrou vitórias do paranaense Diego Faustino na GP 1000, do gaúcho Rafael Bertagnolli na GP 600 e dos paulistas Renato Andreghetto e Ígor Calura na GP Light e na GPR 250. Na oitava etapa, em 1º de dezembro, os vencedores foram os argentinos Diego Pierluigi e Sergio Fasci, Andreghetto e o gaúcho Pedro Sampaio, respectivamente.

Cascavel também recebeu o Moto 1000 GP duas vezes no ano passado. A quarta etapa, no dia 31 de agosto, teve duas vitórias de pilotos paranaenses: Wesley Gutierrez, na GP 1000, e Joelsu “Mitiko” Silva, na GP 600. O argentino Nicolas Tortone ganhou na GP Light. A GPR 250 teve duas corridas: uma foi válida pela etapa cascavelense; outra repôs prova suspensa da etapa anterior. As vitórias foram do paulista Meikon Kawakami e do goiano Brian David.

O Moto 1000 GP encerrou sua temporada em Cascavel pelo segundo ano consecutivo, no dia 14 de dezembro. Tendo em disputa o GP Petrobras, a etapa foi marcada pela coincidência estatística de todos os pilotos vencedores conquistarem os títulos brasileiros de sua categoria. Os vitoriosos e campeões foram o francês Matthieu Lussiana, na GP 1000; Nicolas Tortone, na GP Light; o uruguaio Maximiliano Gerardo, na GP 600; e Kawakami, na GPR 250.