quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Pilotos do Moto 1000 GP desafiam barreira dos 300 km/h no GP Goiânia

Miguel Praia

Maior reta do Brasileiro de Motovelocidade e exigentes trechos sinuosos recepcionam pilotos para quinta etapa da temporada de 2014

Fonte: Grelak Comunicação
O GP Goiânia, quinta etapa do Moto 1000 GP, vai apresentar um desafio inédito à maioria dos pilotos do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade: o traçado de 3.835 metros do Autódromo Internacional Ayrton Senna, integrado pela reta mais extensa de todo o esporte automotor brasileiro, com 980 metros. Pilotos e equipes acreditam que, durante treinos e corridas, a velocidade final da GP 1000, principal categoria do evento, supere os 300 km/h.
A maioria dos pilotos teve nos testes extraoficiais da quarta-feira (17) o primeiro contato com o circuito goiano – o oitavo a receber uma etapa do Moto 1000 GP em três temporadas e meia de história. “É um traçado divertido e que tem áreas de escape muito boas. É uma pista onde não dá para buscar um traçado alternativo. Há um caminho certo, e só um”, observa Luciano Ribodino, argentino inscrito com a BMW S1000RR da Aclat Racing.

Também argentino, Diego Pierluigi, inscrito com a Kawasaki ZX10-R da JC Racing Team, observa que a pista de Goiânia “exige mais técnica e menos coragem”. “É diferente de Cascavel, por exemplo, onde o que vale é a coragem para acelerar ao máximo. Os pontos fundamentais são os dois ‘Esses’. Evitar passar pelas zebras à beira da pista é fundamental, elas são próprias para o automobilismo, mas não para a motovelocidade”, afirma.

Nasser Al Malki, piloto do Qatar que compete com a Kawasaki da MR Lekhwiya Racing Team, aponta a ocorrência de ondulações na pista. “É o que dificulta um pouco pilotar pelo traçado ideal. Além disso, a reta dos boxes tem um quilômetro, isso é mais que um quarto de toda a pista. Andamos sempre no limite e até um pouco acima dele”, comenta o representante do Oriente Médio, confiante na chance de ir ao pódio pela primeira vez.

Nick Iatauro, paulista que defende o Team Suzuki-PRT, manifestou uma boa impressão do autódromo de Goiânia. “Foi a primeira vez que estive numa pista e me senti em um videogame. Há boas áreas de escape, tudo pintadinho, bem bonito, e o traçado é sensacional, o melhor que conheci até agora, bem plano. Você vê que é um motódromo, mesmo, a pilotagem fica mais agradável e tudo que traz uma sensação boa acaba ajudando”, pondera.

As altas temperaturas do Centro-Oeste brasileiro estão entre os desafios que as equipes vão enfrentar durante o fim de semana – para o domingo, dia das corridas, a máxima prevista é de 34 graus. “Os motores, numa faixa ideal, trabalham a 90 graus. Aqui chegam a 95, até 99”, informa o paranaense Diego Faustino, companheiro de equipe de Iatauro. “No calor as motos têm um pouco menos de potência, mas deveremos passar dos 300 km/h”.

BMW Motorrad Brasil patrocina expedição que irá explorar a Amazônia sobre duas rodas.

 Pilotos de cinco países incluindo o Brasil participam de expedição inédita: percorrer de motocicletas o Rio Amazonas, da foz até a nascente, utilizando o consagrado modelo F800GS.

Fonte: BMW Group PressClub Brazil
A BMW Motorrad Brasil,  patrocinará uma incrível aventura em meio às belezas naturais da Amazônia. A bordo de modelos BMW F800 GS, cinco pilotos, de diferentes países, incluindo o Brasil, acompanharão os quase sete mil quilômetros entre a foz e a nascente do maior rio da América do Sul. A expedição “Raízes do Amazonas” partirá do marco da foz do Rio Amazonas na cidade de Curuçá (PA), percorrendo o curso do rio por trechos inóspitos, sem estradas e pontes, em meio a uma floresta densa, até a nascente, aos 5.170m de altitude do Nevado Mismi, localizado na Cordilheira dos Andes, no Peru. O desafio será inédito, uma vez que nunca na história o percurso foi feito por terra.

À frente da aventura está o experiente motociclista Marcelo Leite, que já atravessou os cinco continentes sobre duas rodas. Junto ao piloto estão quatro companheiros: Chris Cowper (Austrália), T. Banchet (África do Sul), J.C. Balasse (França) e Guy Mathew (Reino Unido). Os pilotos partiram,nesta quinta-feira (18), da concessionária Caltabiano em São Paulo (SP) para a expedição.

O primeiro trecho do percurso, que vai de Curuçá a Manaus, contém trechos alagados, pontes quebradas e muita lama. Em seguida, a partir da capital do Amazonas, os pilotos desafiarão um trecho de 1.500 quilômetros sem estradas e permeado por uma densa floresta pelo Alto Solimões até Tabatinga. Depois de atravessar a fronteira com o Peru, subirão as montanhas até chegar à nascente do Rio Amazonas no Nevado Mismi.
Para encarar este grande desafio com estilo, performance, segurança e tecnologia, os pilotos utilizarão cinco unidades do modelos BMW F 800 GS, cedidos pela BMW Motorrad do Brasil. Com 85 hp de potência e construídas para uso misto, as motocicletas estão preparadas para oferecer conforto para a longa viagem e robustez para os mais difíceis trechos off-road.

Bicampeão do Moto 1000 GP reforça Aclat Racing até o fim da temporada

Luciano Ribodino

Com chegada de Ribodino, equipe de Salvador torna-se a primeira a ter pilotos em todas as categorias do Brasileiro de Motovelocidade

Fonte: Grelak Comunicação
O GP Goiânia, quinta etapa da temporada de 2014 do Moto 1000 GP, vai marcar neste domingo (21) a estreia de Luciano Ribodino pela equipe Aclat Racing. O piloto argentino de 20 anos, bicampeão da categoria GP 1000, a principal do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, confirmou nesta quinta-feira (18) sua participação nas quatro últimas etapas de 2014 pela equipe, que conta com oito pilotos e tem sede na capital baiana Salvador.
Ribodino vai disputar o GP Goiânia com a BMW S1000RR número 1 da equipe comandada pelo também piloto Alen Modesto, inscrito na GP Light. “A chegada de um piloto do nível do Luciano é muito positiva. Além de podermos contar com a experiência dele para ajudar na evolução de todos os pilotos da equipe, sei que ele vai disputar vitórias desde a primeira corrida conosco. Para a Aclat, ter um piloto como ele é uma vitória”, comentou Modesto.

Campeão nas temporadas de 2012, quando venceu a etapa de Brasília, e de 2013, quando conquistou vitórias em Curitiba e Interlagos, Ribodino está em quarto lugar na classificação da GP 1000. Foi o quinto na primeira etapa, em Santa Cruz do Sul, abandonou em Interlagos por conta de um acidente e obteve terceiros lugares em Brasília e Cascavel. É quarto no campeonato com 43 pontos, 25 a menos que o líder francês Matthieu Lussiana.

Com a confirmação da participação de Ribodino, a Aclat Racing torna-se a primeira equipe do Moto 1000 GP a ter pilotos em todas as categorias. O time disputa a GPR 250 com o gaúcho Herbert Pereira, que foi ao pódio em terceiro na etapa de Cascavel e está em nono na classificação do campeonato. Na GP 600, o piloto da equipe é o baiano Marcelo Dias, que obteve seu primeiro pódio na etapa em Cascavel, onde foi quinto, e está em 12º na pontuação.

Cinco dos pilotos que compõem o grid da GP Light competem pela Aclat Racing. Três deles são baianos: Alen Modesto está em 17º na classificação do campeonato, enquanto Nathiel Bezerra aparece em 19º e Fernando Silva em 26º. O catarinense Edson Luiz, que integrou-se à equipe na etapa de agosto em Cascavel, está em 25º na pontuação. O pernambucano Thiago Fonseca passa a defender a equipe na corrida deste domingo em Goiânia.

O Moto 1000 GP conta com patrocínio da BMW Motorrad e da Michelin, fornecedora de pneus a todas as equipes inscritas. A Auto Service Logística é a transportadora oficial do evento, que conta também com o apoio de Suzuki, Beta Ferramentas, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto. No GP Goiânia, que terá as corridas das quatro categorias no domingo, a programação de treinos livres será aberta às 13h desta sexta-feira (19).

MOTO 1000 GP – PROGRAMAÇÃO DO GP GOIÂNIA
(Autódromo Internacional Ayrton Senna, 19 a 21 de setembro de 2014)

Sexta-feira
13h00 – primeiro treino livre da GPR 250 (25 minutos)
13h35 – primeiro treino livre da GP 600 (25 minutos)
14h10 – primeiro treino livre da GP 1000 (25 minutos)
14h45 – primeiro treino livre da GP Light (25 minutos)
15h20 – segundo treino livre da GPR 250 (25 minutos)
15h55 – segundo treino livre da GP 600 (25 minutos)
16h30 – segundo treino livre da GP 1000 (25 minutos)
17h05 – segundo treino livre da GP Light (25 minutos)
Sábado
9h00 – terceiro treino livre da GPR 250 (25 minutos)
9h35 – terceiro treino livre da GP 600 (25 minutos)
10h10 – terceiro treino livre da GP 1000 (25 minutos)
10h45 – terceiro treino livre da GP Light (25 minutos)
11h20 – quarto treino livre da GPR 250 (25 minutos)
11h55 – quarto treino livre da GP 600 (25 minutos)
13h20 – quarto treino livre da GP 1000 (25 minutos)
13h55 – quarto treino livre da GP Light (25 minutos)
14h30 – treino classificatório Q1 da GPR 250 (20 minutos)
14h55 – treino classificatório Q1 da GP 600 (20 minutos)
15h20 – treino classificatório Q1 da GP 1000 (20 minutos)
15h45 – treino classificatório Q1 da GP Light (20 minutos)
16h15 – treino classificatório Q2 da GPR 250 (10 minutos)
16h30 – treino classificatório Q2 da GP 600 (10 minutos)
16h45 – treino classificatório Q2 da GP 1000 (10 minutos)
17h00 – treino classificatório Q2 da GP Light (10 minutos)
Domingo
8h10 – warm up da GP Light (10 minutos)
8h30 – warm up da GP 600 (10 minutos)
8h50 – warm up da GP 1000 (10 minutos)
9h10 – warm up da GPR 250 (10 minutos)
10h10 – largada da quinta etapa da GP Light (16 voltas)
11h00 – largada da quinta etapa da GP 600 (16 voltas)
11h30 – visitação aos boxes
11h40 – show de wheeling
12h40 – largada da quinta etapa da GP 1000 (18 voltas)
13h35 – largada da quinta etapa da GPR 250 (12 voltas)
15h00 – motopasseio

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Moto 1000 GP: GP Goiânia abre reta decisiva da temporada de 2014‏

Henrique Castro

Movimentação da quinta etapa do Moto 1000 GP começa nesta quarta-feira com treinos extraoficiais para toda as categorias

Fonte: Grelak Comunicação
O Moto 1000 GP conhecerá na programação da quinta etapa, de sexta-feira (19) a domingo (21), a oitava pista de corridas de suas quatro temporadas de história. A disputa acontecerá no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Goiânia (GO), onde além da categoria principal do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, a GP 1000, serão realizadas provas da GP 600, da GP Light e da série de formação de pilotos GPR 250.
Dos 30 pilotos que devem formar o grid da GP Light, cinco têm chance de finalizar o GP Goiânia na liderança do campeonato, atualmente em poder do brasiliense Henrique Castro. Com três pódios na temporada, incluindo a vitória na segunda etapa, em Brasília (DF), ele soma 63 pontos. Está sete à frente do argentino Nicolas Tortone, que ganhou a corrida passada, em Cascavel (PR), e assumiu a vice-liderança da competição.

A etapa cascavelense foi de ascensão no campeonato também para o paulista Rodrigo Benedictis, que terminou em segundo e passou a ser terceiro na pontuação, com 55, um à frente do brasiliense Ian Testa, vencedor da etapa de Interlagos e quarto no campeonato. Fábio Adas ganhou a primeira corrida, em Santa Cruz do Sul (RS), e é o quinto com 46. Em sexto aparece o gaúcho Rafael Bertagnolli, com 40, conquistados com dois segundos lugares.

Pela GP 600, que em Cascavel marcou a primeira vitória do paranaense Joelsu da Silva, são três os pilotos que podem sair de Goiânia em primeiro na classificação do Moto 1000 GP. Silva assumiu a vice-liderança da competição com 61 pontos, 20 a menos que o uruguaio Maximiliano Gerardo, vencedor das três primeiras etapas. O gaúcho Pedro Sampaio é o terceiro no campeonato, com 60 pontos, e também vislumbra a liderança.

O líder da GPR 250 é Meikon Kawakami, único a ter conquistado vitórias em duas etapas na temporada. Com 86 pontos, ele tem 26 de vantagem sobre o conterrâneo Lucas Torres, segundo colocado, e a manutenção da liderança praticamente assegurada – o máximo possível a cada piloto em uma etapa são 27 pontos. O gaúcho Giovandro Tonini, com 53, o cearense José Duarte, com 49, e o goiano Brian David, com 45, visam nesta etapa a vice-liderança.

A movimentação preparatória ao GP Goiânia terá início já nesta quarta-feira (17), com a realização de treinos extraoficiais para todas as categorias do Moto 1000 GP. A programação oficial da etapa será aberta na sexta, com duas sessões livres de treinos para cada categoria. O sábado (20) também será de treinos livres, antes da tomada de tempos definindo as posições de largada. As corridas de domingo serão disputadas a partir das 10h.

Pilotos do Team Suzuki-PRT observam evolução rápida no Moto 1000 GP

Renato Andreghetto

Renato Andreghetto, Alan Douglas, Nick Iatauro e Diego Faustino veem perspectiva positiva para segunda metade da temporada de 2014

Fonte: Grelak comunicação
O Moto 1000 GP teve em 2014 a estreia do Team Suzuki-PRT em sua categoria principal, a GP 1000. Chefiada por José Carlos de Moraes, o “Pitico”, a equipe tem surpreendido seus quatro pilotos com a rapidez com que assumiu seu lugar entre as principais do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. A quinta etapa, abrindo a segunda metade da temporada, será disputada neste domingo (21) no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Goiânia (GO).
Renato Andreghetto, paulista que conquistou o título da GP Light no ano passado, é o melhor classificado dos integrantes do Team Suzuki-PRT no Moto 1000 GP – é o sexto colocado. Seu conterrâneo Nick Iatauro, vice-campeão da GP Light em 2012, está em 18º. O time conta ainda com os paranaenses Alan Douglas e Diego Faustino, campeão e vice da GP 1000 na temporada de 2011, que aparecem respectivamente em 11º e sétimo na tabela atual.

“Nós estamos muito mais perto do primeiro pelotão, e bem antes do que prevíamos”, constata Iatauro. “O acerto da moto, na verdade, já está na mão. Só precisamos testar as pistas, fazer pequenos ajustes, coisas assim. Eu estou muito feliz com o quanto a moto está rendendo, a equipe já está conseguindo enxergar a luz no fim desse túnel”, acrescenta o piloto paulista, satisfeito com as perspectivas. “Estamos de volta”, ele arremata.

Andreghetto confessa-se surpreso com o desempenho da equipe. “É um ano de estreia e aprendizado na categoria-rainha do Moto 1000 GP, estamos começando a desenvolver a moto e os resultados já apareceram”, afirma. Ele foi sexto na etapa de Cascavel (PR). “A equipe é muito boa, tem pilotos de alto nível, o melhor preparador da motovelocidade e a equipe mais competente no que faz. Quero fechar o campeonato entre os cinco primeiros”, estipula.

A evolução do Team Suzuki-PRT é constante, segundo aponta Faustino. “Estamos sempre entre as primeiras posições, isso é ótimo para a marca. Sempre quis correr de Suzuki, o Pitico acredita na moto e estamos satisfeitos”, manifesta. “O trabalho é recente e ainda estamos muito atrás de outras marcas que já têm anos de desenvolvimento, mas pretendemos brigar por vitórias já na segunda metade do campeonato. Aliás, já briguei duas vezes”, lembra.

A corrida que encerrou a primeira metade da temporada, em Cascavel, teve dois pilotos do Team Suzuki-PRT no pódio. O argentino Luciano Ribodino, que fez participação pontual pelo time, terminou em terceiro. Alan Douglas foi o quinto e conquistou seu primeiro troféu com a marca. “A Suzuki GSX R1000 é uma moto muito completa, que tem uma ciclística fantástica e permite boa dirigibilidade mesmo sem tanta eletrônica”, avalia o paranaense.

Triumph inicia as vendas do modelo Tiger Sport no mercado brasileiro

 A partir desta semana, começam a chegar às concessionárias a nova Tiger Sport, com preço sugerido de R$ 45.990,00. 

Fonte: G6 Comunicação
Com uma proposta mais ousada e esportiva, a nova motocicleta vem somar-se a outros quatro modelos da linha Tiger que já são comercializados com muito sucesso no País: Tiger 800, Tiger 800XC, Tiger Explorer e Tiger Explorer XC, que atualmente já respondem, juntos, por cerca de 60% das vendas da marca no País.
A Tiger Sport é uma motocicleta com vocação mais esportiva e novo design. É uma moto de rua com estilo de aventura, voltada para o piloto que prefere concentrar-se nos valores fundamentais do prazer de uma motocicleta: um motor forte e sedutor, uma condução estável e uma posição de pilotagem para se adequar a diferentes tipos de estrada. Além disso, a nova Tiger Sport vem de fábrica com um grande bônus: o trabalho cuidadoso da Triumph para reforçar o seu chassi e modernizar sua suspensão, permitindo saídas mais seguras das curvas. Como resultado, o modelo ficou ainda mais fácil de pilotar e confortável.

A parte traseira da Tiger Sport é completamente nova. O modelo conta, por exemplo, com novos painéis laterais e um protetor inferior do motor criado especialmente para esta versão. Mesmo na dianteira foram efetuadas muitas mudanças. Para se ter ideia, todos os componentes visíveis foram renovados, como o para-brisa redesenhado, que conferiu à moto uma aparência mais elegante, mais esportiva e mais moderna, com uma postura determinada. Ideal para o uso diário, mas também capaz de cobrir longas distâncias com conforto e segurança, a Tiger Sport é uma motocicleta esportiva do “mundo real”, potente, ágil e divertida. Esta agilidade é resultado do eficiente motor Triumph de três cilindros em linha, com 1.050 cc. O sugestivo som do motor, típico de um três cilindros, foi também aperfeiçoado.

O novo modelo ainda consome menos gasolina. Com um meticuloso trabalho de calibração na injeção eletrônica de combustível, os engenheiros da Triumph conseguiram aprimorar não só o desempenho, mas também o consumo do motor. Por isso, a Tiger Sport consegue rodar cerca de 7% mais com cada tanque de combustível. Alguns itens foram especialmente desenvolvidos para o novo modelo. Foi o caso da balança unilateral, que ganhou uma aparência mais esportiva e ainda criou mais espaço para o novo escapamento e bagageiros maiores. Outro exemplo é o sistema de iluminação, com quatro novos faróis do tipo refletor, que substituem os anteriores faróis de projeção, reduzindo o peso, mudando o aspecto da moto e melhorando substancialmente o desempenho da iluminação.

Um conjunto de pequenas inovações também melhorou a ergonomia da Tiger Sport, incluindo o assento do piloto mais baixo (5 mm a menos) e mais estreito na frente, o que reduziu substancialmente a distância do chão – uma estratégia que tornou a moto mais acessível a um número muito maior de pilotos. O assento também é mais extenso, para criar mais espaço para pilotos mais altos. O guidão é mais baixo e mais próximo do piloto para se adequar à sua natureza esportiva, proporcionando uma sensação mais direta, enquanto o novo para-brisa oferece melhor proteção contra o vento. O assento traseiro também é mais baixo, deixando o garupa sentado totalmente atrás do piloto – e, portanto, com melhor proteção contra o vento.

O novo subquadro traseiro não só rebaixa o banco do passageiro, mais é mais forte, permitindo o encaixe de bagageiros opcionais maiores, capazes de armazenar um capacete integral, com o dobro da carga dos anteriores. O pioneiro Sistema Dinâmico de Bagagem da Triumph usa um cabo de interligação entre as caixas para isolar o movimento induzido por turbulência do chassi. A Tiger Sport teve, ainda, a sua geometria revisada. O ângulo de direção ficou um pouco mais íngreme, em meio grau, e a distância entre eixos cresceu ligeiramente – o suficiente para melhorar a precisão na pilotagem, as respostas e a estabilidade em qualquer situação. Além disso, a suspensão totalmente regulável foi completamente remodelada, com novas molas e amortecimento com válvulas diferenciadas, para dar à Tiger Sport maior capacidade de rodar com segurança com a capacidade adicional de carga.

O novo modelo está cheio de toques inteligentes, como o material mais resistente na parte inferior do assento, apoios bem moldados para os pés, costura colorida no assento, suporte do bagageiro em alumínio com um belo visual, o estilo dos novos garfos e as carcaças laterais do motor. Até mesmo as capas da extremidade do guidão são projetadas para oferecer um visual agradável, enquanto sob o assento não há apenas espaço para guardar a trava da roda, mas também há um porta-luvas exclusivo. A motocicleta começa a ser vendida no Brasil com uma grande variedade de acessórios e com duas opções de cores: Branco (Crystal White & Phanton Black) e Vermelho (Diablo Red & Phantom Black).

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

BMW produz 90 mil motocicletas de janeiro a agosto e bate record.

Marca alemã bate o próprio record de vendas e promete novos lançamentos para 2015.

Fonte: BMW Group Press Club Global
De janeiro a agosto 2014, a BMW Motorrad comercializou em todo mundo um total de 90.226 motocicletas e maxi scooters conseguindo assim uma nova alta histórica de 7,6%, pois no mesmo período  em 2013 foram vendida  83.890 unidades. Apenas no mês de agosto foram vendidas 7.587 unidades contra 7.708 no mês 08/2013, um pequeno decréscimo de 1,6%.
Nos primeiros oito meses do ano estamos indo muito bem, com 90.226 veículos vendidos isto representa um novo recorde para este período. Nosso portfólio de produtos altamente atraente e a força da marca BMW são fatores-chave para este sucesso. Continuamos firme, no caminho certo para conseguir bater as metas do ano de 2014 " diz Heiner Faust, Diretor  Vendas e Marketing da BMW Motorrad.
Fausto acrescenta ainda: "Nossos clientes serão surpreendidos com o lançamento  de novas motocicletas para a temporada de 2015.  Apresentaremos pelo menos 5 novos modelos ao público nos próximos cinco meses".


domingo, 14 de setembro de 2014

Equipe CEEU da Europa vence o BMW Motorrad Trophy Internacional 2014, realizado no Canadá.

O importante é competir, a equipe do Brasil neste ano conseguiu um honroso 15º lugar, mas em 2016 nos sairemos melhor.

Fonte: BMW Group Press Club Global
Depois de sete dias, e 2.300 quilômetros de pilotagem dura intercalados com 20 etapas especiais, a equipe Europa Central/ Oriental (CEEU) foi  a grande vencedora e seus integrantes merecedores do Troféu GS 2014, tendo liderado a competição desde o primeiro dia e ganhado  muitas etapas especiais, além de dois concursos de fotografia.
A equipe de Wojciech Zambrzycki, Maciej Gryczewski e Karel Rahcek dominou a competição deste ano, que terminou no mesmo lugar como começou - no Kananaskis Guest Ranch em Exshaw, a oeste de Calgary. Eles terminaram com 276 pontos, 49 à frente da África do Sul, que ficou  em segundo lugar, enquanto a equipe francesa ficou em terceiro lugar com 198 pontos.
Um jantar final iluminado por uma fogueira crepitando foi o cenário para  uma cerimônia de premiação, onde todas as 16 equipes receberam prêmios de participação. Como o organizador do  GS Trophy  Michael Trammer colocou: "Todas as equipes são vencedores, na minha opinião. Não importa se você não terminar entre as equipas de topo, porque nós nos tornamos uma grande equipe. "
Em sua palavra final o vice-presidente de Vendas e Marketing da BMW Motorrad  Heiner Faust, acrescentou: "Eu não sei de nenhum outro evento como o GS Trophy. Você realmente não pode comparar  a realização de um troféu com outro porque todos foram eventos fantásticos em sua própria maneira. A idéia por trás do Troféu é ir para um país diferente a cada dois anos, e os passeios e paisagens foram impressionante aqui no Canadá. Estamos todos juntos aqui, mas uma comunidade muito mais ampla GS tem nos  a seguido on-line, tornando o GS Trophy o evento mais importante para nós em termos de cobertura da mídia. Cada GS Trophy é com certeza um ato difícil de seguir e nós certamente melhoramos o padrão com a edição de 2014."

Pos.TeamPoints
1CEEU276
2South Africa227
3France198
4Argentina182
5USA174
6Alps160
7Russia158
7Latin America158
9Canada153
10UK142
11Germany136
12Mexico125
13Korea124
14Japan120
15Brazil117
16Italy116