quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Indian planeja chegar ao Brasil em 2015 para briga com a Harley

Indian Scout

Empresa ainda precisa definir como será a montagem em Manaus. Scout, de 100 cavalos, será a principal moto, com 60% das vendas.

Publicado no Portal G1.com em 26/11/2014
Desde 2013, a centenária fabricante de motos Indian não esconde que pretende vender suas motos no Brasil, o que deve se tornar realidade no próximo ano. Nesta quarta-feira (26), durante apresentação do grupo Polaris, dono da marca, em São Paulo, a empresa revelou que o anúncio oficial da operação brasileira está perto de acontecer.
"Os planos da Indian para o Brasil estão a todo vapor, queremos estar aqui até o final de 2015", afirmou Rodrigo Lourenço, diretor geral da Polaris na América Latina. "Mas as dificuldades se tornaram maiores para fazermos o anúncio oficial. Para se tornar viável, teremos de produzir em Manaus", acrescentou Lourenço. "Nos próximos 60 dias devemos anunciar algo", disse.

A empresa ainda estuda se terá a própria fábrica no Brasil ou se fará alguma parceria para terceirizar a montagem, como fazem BMW, Ducati, MV Agusta e KTM com a Dafra. Criada em 1901, nos Estados Unidos, a Indian tenta retornar aos tempos de glória do passado, quando foi mais famosa e importante que a rival Harley-Davidson.

Desde 2011, quando foi adquirida pelo grupo Polaris, a Indian vem renovando sua linha. Primeiro mostrou, em 2013, uma linha Chief, composta por Classic, Vintage e Chieftain, remetendo aos modelos mais clássicos da empresa, porém, com projetos 100% novos. Em 2014, o grande lançamento foi a nova Scout, que traz uma dose de modernidade para a marca.

Inclusive, a Scout deve ser o modelo mais vendido da marca no Brasil. "Nossa expectativa é de 60% das vendas para a Scout e 40% para a linha Chief", revelou Lourenço. Ainda sem data exata de início das vendas, a Indian pretende mostrar suas motos na edição 2015 do Salão Duas Rodas de São Paulo.

"A expectativa da empresa é que o Brasil seja o maior mercado internacional da Indian. Queremos brigar de frente com a Harley-Davidson", enfatizou o executivo, ainda sem revelar o volume esperado de vendas no país.

Apesar de seguir o padrão de uma custom, a Scout rejuvenesceu a linha da fabricante norte-americana, mostrando uma dose de modernidade é até esportividade. Como base, a Scout utiliza motor V2 de 1.133 cc, que é capaz de gerar 100 cavalos de potência e trabalha em conjunto com câmbio de 6 marchas. Vendida a partir de US$ 10.999 nos Estados Unidos, o modelo possui freios ABS de série.

Este nome já foi utilizado no passado pela Indian. Entre os momentos de sucesso da Scout, está a façanha obtida por Burt Munro, um neozelandês, em 1967.
Então com 68 anos, o piloto utilizou uma versão da moto de 1920 para bater um recorde de velocidade no deserto de Bonneville, nos Estados Unidos. Em 2005, a história foi retratada no filme “Desafiando os Limites” (The World’s Fastest Indian), protagonizado por Anthony Hopkins.

Com assento do tipo monoposto, a moto apresenta um conjunto que remete ao passado e ao mesmo tempo mistura com linhas mais contemporâneas.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Após fechar loja, Ducati volta a ter concessionária em São Paulo

Empresa estava sem ponto de venda na cidade desde junho. Unidade fica no shopping JK Iguatemi, no Itaim Bibi.

Publicado no portal G1.com em 25/11/2014
Depois de fechar sua única concessionária em São Paulo, em junho passado, a Ducati inaugurou, na noite desta segunda-feira (24), nova loja na cidade. Na época do fechamento, a empresa declarou que "o fim da relação se deu por divergências de alinhamento gerencial/comercial", sem revelar os detalhes sobre o fim da unidade Cidade Jardim, que começou a funcionar em junho de 2013.
Cinco meses depois, a fabricante italiana de luxo nomeia o grupo Caltabiano, que comercializa diversas marcas de carro e motos, para ser novo representante da Ducati em São Paulo. A operação já está em funcionamento na Ducati JK, que fica dentro do shopping JK Iguatemi, no Itaim Bibi, porém, está prevista a abertura de uma loja de rua, com o mesmo grupo.

Essa não foi a primeira vez que a marca ficou sem representantes na capital paulista. Em 2012, após fim da parceria com o grupo Izzo, aDucati teve suas lojas no país fechadas,deixando clientes insatisfeitos. O mesmo problema atingiu clientes da KTM e outras marcas.

"Isso pode ter trazido uma insegurança para os clientes, mas a Ducati quer enfatizar que veio ao Brasil para ficar", disse Ricardo Susini, diretor geral da Ducati do Brasil, durante a inauguração da nova loja. No final de 2012, a Ducati deu início a operação de sua própria subsidiária no país, começando

No local, a marca promete, além de vender sua gama completa de motos, oferecer test-ride e venda de acessórios. "Esse shopping é famoso pelas grifes e pode trazer a oportunidade para novos consumidores conhecerem nossas motos", acrescenta Susini.
Os serviços de manutenção seguem apenas na oficina Target Race, que fica na rua Clodomiro Amazonas, 709, no Itaim Bibi, enquanto a oficina que a Caltabiano terá em Santana não é aberta.

Moto 1000 GP: diante de 12.000 torcedores, GP Petrobras revela novos líderes‏

Penúltima etapa em Santa Cruz do Sul acirra ainda mais cenário da disputa pelos títulos do Brasileiro de Motovelocidade

Fonte: Grelak Comunicação
O GP Petrobras, sétima e penúltima etapa do Moto 1000 GP, ofereceu à torcida uma das programações de disputas mais acirradas do ano ao público. Foi esta a avaliação do promotor do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, Gilson Scudeler, satisfeito com o balanço do evento do último domingo (23) no Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul (RS). Mais de 12.000 torcedores acompanharam as corridas das quatro categorias em disputa.
“Foram, como se diz, quatro corridas de tirar o fôlego”, frisou Scudeler, citando as categorias GP 1000, GP 600, GP Light e GPR 250, que compõem o Brasileiro de Motovelocidade. “Tivemos uma participação muito boa do público, ativações dos patrocinadores e parceiros do campeonato, presença marcante dos grupos de motociclistas de todo o Rio Grande do Sul. E foi nossa segunda etapa de 2014 na cidade, o que mostra que nosso público é fiel”, citou.

Santa Cruz do Sul havia recebido o Moto 1000 GP na primeira etapa da temporada, que teve suas corridas disputadas sob chuva no dia 4 de maio. As provas do último domingo mantiveram a disputa pelo título brasileiro aberta em todas as categorias – em três delas, com mudança de líderes. “Até no que diz respeito ao campeonato o GP Petrobras deixou a disputa mais equilibrada. A etapa final promete momentos muito bons”, previu Scudeler.

Na GP 1000, série principal do Moto 1000 GP, a vitória em Santa Cruz do Sul foi do francês Matthieu Lussiana, que retomou o primeiro lugar na tabela de pontuação. A GP Light marcou a primeira vitória de Rodrigo de Benedictis, o novo líder da temporada. Na GP 600, o argentino Juan Solorza conquistou sua terceira vitória em três participações – o gaúcho Pedro Sampaio terminou em terceiro e assumiu o primeiro lugar na classificação do campeonato.

A GPR 250, categoria de formação de pilotos do Moto 1000 GP, foi a única em que não houve alternância na liderança. O paulista Meikon Kawakami manteve-se à frente com o segundo lugar na etapa gaúcha, vencida por seu conterrâneo Lucas Torres, ainda vice-líder e agora mais próximo na pontuação. A oitava e última etapa do Moto 1000 GP será disputada em 14 de dezembro no Autódromo Internacional Zilmar Beux, em Cascavel (PR).

Triumph lança Bonneville 2015, T100 com novas cores

"Gire a chave no lado esquerdo do farol, exatamente como as primeiras Bonnevilles, e curta a inesquecível trilha sonora do seu conhecido motor britânico"

Fonte; G6 Comunicação
A linha 2015 da Triumph Bonneville T100 chega esta semana às concessionárias com duas novas opções de cores: preto com laranja (Intense Orange/Jet Black) e azul com preto (Caspian Blue/Jet Black). As duas cores anteriores – branco com dourado (Fusion White/Aurum Gold) e preto com cereja (Jet Black/Cranberry Red) também continuam disponíveis na linha 2015. Montada em Manaus, a motocicleta tem preço sugerido de R$R$ 31.490,00. A Triumph Bonneville dominou as estradas durante a década de 1960. Nenhuma motocicleta atual reproduz tão fielmente o estilo e a experiência desses anos dourados como a Bonneville T100. Com suas tradicionais rodas raiadas e pintura clássica com faixa lateral em dois tons, a Bonneville T100 parece ter sido criada em 1969. Mas olhe mais de perto e você verá uma máquina moderna, transbordando com toques autênticos que somente a Triumph pode oferecer.

Externamente, seu motor de 865 cc, com cilindros paralelos, pode lembrar os clássicos motores pushrod de 650 cc, mas o propulsor com duplo comando de válvulas no cabeçote da Bonneville T100 é atualizado com uma moderna injeção de combustível. O objetivo é oferecer um funcionamento sem falhas, com elevados níveis de desempenho e confiabilidade no dia a dia. Nítidos toques retrô, como os “carburadores” que escondem os injetores de combustível, falsos tubos da haste de comando do balancim e o posicionamento da ignição fazem tributo à lenda da Bonneville. Apesar deste visual incrível, o que encanta mesmo os motociclistas mais experientes e exigentes é a pilotagem do modelo.

Gire a chave no lado esquerdo do farol, exatamente como as primeiras Bonnevilles, e curta a inesquecível trilha sonora do seu conhecido motor britânico. Gire o acelerador e pronto: este propulsor com 68 cv de potência oferece o desempenho que se espera de uma verdadeira Triumph. Esta performance vem aliada aos garfos dianteiros de 41 mm e aos amortecedores traseiros cromados, que oferecem dirigibilidade equilibrada e uma pilotagem confortável. A Bonneville T100 vem com vários detalhes reais da década de 1960. Silenciadores Peashooter e rodas de aço raiadas (com uma roda dianteira maior, de 19 polegadas), por exemplo, garantem à T100 mais presença e o tipo de fama que somente uma “Brit Twin” pode oferecer.Alguns detalhes especiais complementam o visual típico da década de 60 da T100, como coifas de borracha do garfo, joelheiras e velocímetro, contador de giros, relógio e indicador de informações de percurso de estilo clássico instalados no guidão.

Os pneus dianteiros originais da Triumph Bonneville T100 são os Metzeler Lasertec, que utilizam composto de nova geração e oferecem conforto e controle excepcionais tanto em piso molhado quanto seco. O design da banda de rodagem permite ótima drenagem de água, além de garantir desgaste regular e alto rendimento quilométrico. Já os pneus originais traseiros da Bonneville T100 são os Metzeler ME Z2, que enfrentam qualquer tipo de clima e longas distâncias. Foram desenvolvidos para proporcionar estabilidade e controle em alta velocidade, mesmo em frenagens de emergência e com a moto carregada. O composto com grande concentração de sílica resulta em excelente aderência tanto em piso seco quanto molhado.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Em nova fase, austríaca KTM terá concessionárias em SP, MG, PR e GO

KTM 1190

Lojas serão abertas entre os meses de dezembro e janeiro. 1190 Adventure, 1290 Super Duke, 390 e 200 Duke já foram confirmadas.

Publicado no G1.com em 24/11/2014.
Comentário: Nilson Silva
Em nova fase no Brasil, desde que a Dafra assumiu a sua operação comercial no país, a austríaca KTM anunciou as primeiras concessionárias após a sua reestruturação e fim da parceria com o Grupo Izzo. Entre a 2ª quinzena de dezembro e o final de janeiro, serão inauguradas unidades em São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR) e Goiânia (GO).
Estas 4 primeiras lojas se enquadram no conceito Flagship KTM, que terão exclusividade da comercialização de toda linha de produtos da marca já anunciados para o Brasil, além de vestuário, peças de reposição, acessórios e pós-vendas on e off-road. Durante o 1º trimestre de 2015, a empresa também planeja inaugurar concessionária no Rio de Janeiro (RJ).

Entre as motos que serão vendidas nas lojas Flagship estão as importadas 1190 Adventure, 1290 Super Duke R, 50 SX e 65 SX, e as produzidas no Brasil, como as off road 350 EXC-F, 250 EXC-F e a 300 EXC. A partir de abril de 2015 juntam-se as street 390 Duke ABS e 200 Duke, ambas nacionalizadas.

Além das concessionárias exclusivas da KTM, também existirão lojas em parceria com a Dafra, com foco nos modelos 390 Duke ABS, 200 Duke e RC 390 ABS,. Também estarão disponíveis vestuário, acessórios, peças e serviços pós-venda exclusivos para esses três produtos. O cronograma de implantação da rede "Dual Brand", com as duas marcas, começa no 2º trimestre de 2015.

Nosso Comentário:
A estratégia "Dual Brand" é algo inovador. O Mercado Brasileiro está passando por tempos bicudos. É necessário que se lance mão de todos os recursos necessários para prosperar por aqui, apesar de sermos o sexto maior mercado do mundo. Espero ancioso a inauguração da loja de Brasilia

domingo, 23 de novembro de 2014

Solorza domina fim de semana, vence e segue 100% na GP 600

Salorza ao centro, de Azul

Pedro Sampaio chegou em terceiro e assume a liderança na categoria

Fonte: Grelak Comunicação
Em sua terceira etapa no Moto 1000 GP, neste domingo, o argentino Juan Solorza repetiu o resultado das corridas anteriores e venceu mais uma vez. Dessa vez, o piloto da equipe Solorza Competition também fez a pole e a volta mais rápida da prova em Santa Cruz do Sul (RS). O pódio com Joelsu “Mitiko” da Silva e Pedro Sampaio, em segundo e terceiro, respectivamente, modificaram a classificação do campeonato da GP 600, que tem Sampaio como novo líder.

Pedro Sampaio, da equipe Fábio Loko, pulou para 105 pontos na temporada e ultrapassou o uruguaio Maximiliano Gerardo, que não participou desta etapa e tem 102 no campeonato. Mitiko foi para 104, deixando a diferença de apenas três pontos entre os candidatos ao título.

A liderança garantida pela pole de Solorza no circuito gaúcho durou uma volta. Joelsu da Silva, segundo no grid e defendendo a Paulinho Superbikes, encostou no primeiro colocado e logo conseguiu a ultrapassagem. Mas o argentino da moto 52, que liderou todos os treinos livres do final de semana, conseguiu na terceira volta retomar a posição perdida. “Nos treinos de sexta-feira eu estava com o tempo alto, ontem consegui melhorar a moto e durante a corrida errei uma marcha e perdi contato com o Solorza, tentei imprimir meu ritmo e consegui segurar até o final essa segunda posição”, conta Mitiko.

O terceiro colocado na largada e vice-líder do campeonato, Pedro Sampaio, não resistiu ao ataque do argentino Sebastian Martinez, da MGBikes Yamaha Racing, e perdeu a posição no início, mas também retomou o seu lugar na quinta volta. Os dois foram protagonistas do duelo mais acirrado da prova. Em busca de pontos para diminuir a diferença em relação ao líder, o brasileiro defendeu o posto e não deixou o argentino pular na frente. Martinez terminou na quarta colocação.

Sem tráfego, Solorza teve tranquilidade para guiar sua Yamaha R6 e começou a abrir vantagem na liderança. O argentino cruzou a linha de chegada da sua terceira vitória no Moto 1000 GP mais de 3 segundos à frente de Joelsu. “A corrida começou muito difícil por causa do calor, mas eu consegui entrar no ritmo e fazer uma boa prova. Gosto muito desse campeonato, vou participar da última etapa em Cascavel e com certeza estaremos aqui no próximo ano”, diz Solorza. O quinto lugar do pódio foi completado por André Verissimo, companheiro de equipe de Sebastian Martinez.

MOTO 1000 GP - GP Petrobras/GP 600
1º) Juan Solorza (ARG/Yamaha), Solorza Competition, com 20min38s788
2º) Joelsu “Mitiko” da Silva (PR/Kawasaki), Paulinho Superbikes, a 3s108
3º) Pedro Sampaio (RS/Kawasaki), Fábio Loko, a 3s206
4º) Sebastian Martinez (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 5s596

Benedictis vence na penúltima etapa e assume a liderança na GP Light

Bertagnolli comemora terceiro lugar no pódio em seu retorno ao evento

Fonte: Grelak Comunicação
Em uma corrida de recuperação, Rodrigo Benedictis, da equipe Motonil Motors/PDV Brasil, saiu da sexta posição no grid para a vitória no GP Petrobras, sétima etapa do Moto 1000 GP, neste domingo (23) em Santa Cruz do Sul (RS). Com o resultado, o piloto paulista assumiu a liderança da temporada, que vale pelo Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, com 15 pontos de vantagem para o segundo colocado. O argentino Nicolas Tortone e o gaúcho Rafael Bertagnolli terminaram em segundo e terceiro, respectivamente.
Benedictis fez também a volta mais rápida, o que lhe garantiu mais um ponto, além dos 25 pela vitória. Com isso, ele assume a liderança da categoria com 114 pontos. “Estou muito feliz, venho trabalhando e me dedicando. Infelizmente, por falta de tempo, eu não consigo treinar entre as etapas, só durante o fim de semana de corrida. Estou muito emocionado, já tenho meus 40 anos e andar entre os primeiros com essa nova geração que só tem fera e se dedicam ao esporte é muito bom”, comentou Benedictis.

Tortone, da equipe MG Bikes Yamaha Racing, vai a 99 pontos e assume a vice-liderança. Em terceiro e também com chances de título está Henrique Castro com 98 pontos. O piloto da equipe City Service BSB Motor Racing, até então líder da competição, sofreu uma queda nos treinos livres e não participou desta sétima e penúltima etapa.

Melhor nos treinos livres e pole no circuito gaúcho, Nicolas Tortone manteve a primeira posição na disputa da freada da reta dos boxes. Quem não se deu bem na primeira curva foi Fabinho Adas, terceiro no grid, que caiu e teve que abandonar a prova. Com isso, Lucas Teodoro assumiu o segundo lugar e logo teve a companhia de Benedictis em terceiro.

A pressão sobre o líder da prova deu resultado na quarta volta, quando Benedictis e Teodoro deixaram Tortone para trás. Mas o líder Teodoro recebeu uma punição na sexta volta por ter queimado a largada. A obrigação de passar pelos boxes tirou a ponta do piloto que acabou recebendo a bandeirada na quarta colocação e deu a terceira posição a Bertagnolli, da equipe Fábio Loko. “Tive problemas com a moto e não participei das duas últimas etapas. Conseguimos terminar a moto domingo passado e durante um treino aqui sofri uma quebra e estraguei bastante a moto. Nós trabalhamos muito a semana inteira para a etapa e esse terceiro lugar tem gosto de vitória, ainda mais com a minha família e meus amigos presentes”, comemora Bertagnolli.

Com um ritmo melhor, Benedictis conseguiu abrir vantagem para Tortone e terminou a corrida mais de quatro segundos na frente. “Eu achava que poderia ganhar a corrida, mas o Rodrigo estava muito rápido. Nas últimas voltas eu perdi um pouco a concentração, mas esses pontos são muito importantes para o campeonato. Correr em Cascavel é muito bom, vai ser divertido decidir o campeonato lá”, ressalta o argentino. “A corrida em Cascavel vai ser muito emocionante, vai ser muito disputada, tanto eu quando Tortone jogamos limpo e vai vencer o melhor”, finaliza Benedictis. Alen Modesto, da Aclat Racing, completou o pódio em Santa Cruz do Sul, na quinta colocação.

MOTO 1000 GP - GP Petrobras/GP Light
1º) Rodrigo de Benedictis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, com 20min35s999
2º) Nicolas Tortone (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, a 4s691
3º) Rafael Bertagnolli (RS/Kawasaki), Fábio Loko, a 24s144
4º) Lucas Teodoro (SP/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, a 26s415
5º) Alen Modesto (BA/Kawasaki), Aclat Racing, a 26s584

Lucas Torres vence a GPR 250 em Santa Cruz do Sul e se aproxima do líder

Lucas Torres, 3º da esquerda para a direita

Após largar em sétimo, Lucas Torres venceu o GP Petrobras na GPR 250

Fonte: Grelak Comunicação
Lucas Torres venceu o GP Petrobras deste domingo em Santa Cruz do Sul (RS) e levou a disputa do campeonato da GPR 250 para a última etapa, em Cascavel. O piloto da Estrella Galicia Racing by Alex Barros fez uma corrida de recuperação após largar em sétimo e chegou na frente de Meikon Kawakami, da Playstation/PRT, que segue líder da temporada com o segundo lugar na corrida gaúcha. A diferença, que era de 14 pontos antes da prova, agora é de apenas 9. O gaúcho Giovandro Tonini, da Santin Racing, terminou em terceiro.
Lucas Torres, que saiu em sétimo, pulou para o segundo lugar ainda na primeira volta e logo formou o primeiro pelotão com Meikon e Tonini, quarto no grid. Os três se revezaram no primeiro posto até a última volta, quando Torres pulou à frente de Tonini com sua Honda CBR250 de número 77. “A corrida foi muito boa, estavam todos trocando posições na pista, carenagem com carenagem. Foi muito bom ganhar aqui e levar a decisão para a última etapa”, destaca o vencedor da corrida.

Tonini chegou a cruzar a linha de chegada em segundo, mas sofreu uma punição de 5 segundos por ultrapassar com bandeira amarela e terminou a prova em terceiro. “Eu realmente não vi a bandeira (o piloto foi punido por ultrapassar com bandeira amarela), quero ver no vídeo depois para ver onde eu passei. Para mim foi uma surpresa, sempre cuido as bandeiras, mas está tudo certo”, explica o piloto.

O resultado no circuito gaúcho isolou Lucas Torres e Meikon Kawakami como únicos pilotos com chances matemáticas de título. Meikon tem agora 133 pontos contra 124 de Torres. Na última etapa, dia 14 de dezembro em Cascavel, 27 pontos estarão em disputa e cada piloto ainda poderá descartar o seu pior resultado.

MOTO 1000 GP - GP Petrobras/GPR 250
1º) Lucas Torres (SP/Honda), Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros, com 17min10s191
2º) Meikon Kawakami (SP/Honda), Playstation-PRT, a 0s097
3º) Giovandro Tonini (RS/Honda), Santin Racing, a 5s056
4º) Rafael Portaluppi (RS/Honda), Portaluppi Race Team, a 7s262
5º) José Duarte (CE/Honda), Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros, a 7s584
6º) Bruno Borges (DF/BSB City Service Motor Racing), a 32s421
7º) Gabriel Mattes (RS/Kawasaki), Bibica Racing, a 34s676
8º) Maycon Benassi (PR/Kawasaki), Hot Dog Pit Stop, a 34s800
9º) Guilherme Brito (SP/Honda), Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros, a 55s988
10º) Guilber dos Reis (RS/Honda), Kalunga Motos, a 56s136
11º) Douglas Henrique (RS/Honda), Fábio Loko, a 58min163